21 de mai de 2009

Ed Motta ignora o mainstream nacional e se fixa como artista do mundo

Review - "Chapter 9" (Ed Motta) por Marcelo E. Donati
Enquanto todos aguardavam com curiosidade o novo álbum do mestre do soul brasileiro, indagando se haveria o funk e soul, instrumentais ou pops, Ed Motta surpreendeu: jogou o funk pra escanteio, mas resguardou o soul. Abraçou o pop soturno e elevou a música instrumental a um patamar de música mundial, cantando todas as canções. E para se fazer ouvir como sempre quisera, adotou oficialmente a língua inglesa que sempre permeara suas composições.

foto: Maurício Valadares

Álbum patrocinado

Lançado, no fim de agosto de 2008, o nono Cd de inéditas de Ed Motta, tem vários destaques. Um deles é a divulgação, já que o cd está sendo oferecido gratuitamente pelo site da Trama, no endereço - Álbum Virtual: http://albumvirtual.trama.uol.com.br/

Outro destaque são as letras, todas em inglês (a primeira é de seu colega Cláudio Botelho, com o qual trabalhou no musical “7”, as outras nove são do inglês Rob Galagher, conhecido pelo pseudônimo de Earl Zinger, que foi o fundador do grupo Galliano e hoje faz parte do Two Banks Of Four.)

foto: Maurício Valadares

One Man Band – Banda de um homem só

O detalhe mais marcante é que Ed gravou todos os instrumentos. Ou seja, é seu trabalho mais autoral. O que era para ser apenas uma demo de estúdio para testar os arranjos tornou-se o material oficial. Ed explica que foi a São Paulo, trancou-se no estúdio e gravou todos os instrumentos apenas para ter uma referência para passar para os músicos (a famosa demotape). Só que foi convencido pelo João Marcello, da gravadora Trama, a manter aquela gravação das músicas, preservando o feeling inicial. Depois de concordar com a idéa, Ed voltou ao Rio de Janeiro, fez os overdubs e finalizações, trocou as melodias pelas letras fornecidas pelos parceiros e nos brindou com este capítulo nono de sua magistral carreira.

Caldeirão de influências tempera um álbum sem rótulos

Para quem imaginaria mais um álbum funkeado ou com temas de jazz intrincados, Ed surpreendeu e fez um álbum totalmente sem rótulos, com um tema obscuro de abertura (a faixa inicial The Man form the Oldest Building), um rock cheio de power chords (a zeppeliana "Tommy's Boy Big Mistake") um sutil reggae cheio de detalhes (The Sky is Falling) e um pop à la anos 80, claramente influenciado por David Bowie, New Order, Joy Division e afins (You're Supposed To...). Há espaço também para um clima happy times, meio Steve Wonder, meio Steely Dan (The Runaways), música que evoca, nas palavras do próprio Ed, um ‘passeio de carro pela Califórnia ensolarada tomando um drink cítrico’. Outros temas são: Ikarus on the Stairs (onde Ed toca apenas o famoso Rhodes e desfila beleza e encantamento), St. Christopher Last Stand, The Caretaker, Georgie And The Dragons e Twisted Blue. Se fosse necessário resumir o disco todo em uma única faixa, a música mais representativa deste disco seria Twisted Blue, por ser soturna à primerira audição, elegante, pesada e totalmente diferente dentro do universo edmottiano.

“Chapter 9” é assim, um disco totalmente não-conceitual, que conseguiu surpreender até ao próprio criador, já que o Ed é apaixonado pela sonoridade setentista, mas acabou por conceber um disco permeado com inúmeras 'épocas musicais' e repleto de várias facetas.

Detalhes do fã-clube:

A faixa Twisted Blue já fora gravada num disco do Quarteto Maogany com o nome de "A Foggy Day in Teresopolis", só que numa versão estilo choro, e com Ed cantando a melodia sem letra. Já "Ikarus on the Stairs" já fora tocada em algumas apresentações ao vivo como um tema de improviso. Aqui, ela ganha registro oficial.


É um disco belo e intenso, pra se absorver, música e letra, aos poucos, saboreando cada detalhe, como um bom vinho...


Ed Motta - Chapter 9 (agosto 2008)

Gravadora Trama

faixas:
01 The Man From The Oldest Building

02 You're Supposed To ...
03 Twisted Blue
04 The Runaways
05 St. Christopher's Last Stand
06 Tommy Boy's Big Mistake
07 The Sky Is Falling
08 The Caretaker
09 Georgie And The Dragons
10 Ikarus On The Stairs


Ed Motta: vozes, violões, guitarras, teclados, baixos, sintetizadores, bateria, programação de bateria e arranjos

Link: Trama Álbum Virtual

2 comentários:

Daniel Argentino disse...

Na minha modesta opinião, a grande qualidade do Ed Motta é justamente não ligar para o mainstream (seja ele nacional ou internacional). Ele faz cada álbum baseado no gosto pessoal e sem a preocupação se vai agradar ou não os criticos. Curiosidade, quando se trata de um gênio, seus álbuns acabam agradando os fãs e boa parte da critica.

Teresa disse...

Eu passei a gostar bem mais do Ed depois desse álbum. É como se eu já conhecesse as músicas de algum lugar. Adoro ouvi-lo.
Depois do Chapter 9 um amigo me deu a discografia do Ed, é muito interessante ver a quantidade de músicas dele que fazem ou fizeram parte da minha vida. Muito bom!