4 de abr de 2016

Ed Motta explana Perpetual Gateways ao Bloptical

Transitando na linha tênue entre o jazz e o pop, Ed Motta lança em 2016 Perpetual Gateways, novo álbum de inéditas todo em inglês. Bancado e lançado pelo selo alemão Membran, Ed Motta compôs tudo, letra e música e, para auxilia-lo no terreno americano, chamou o experiente produtor Kamau Kenyatta, que trouxe um elenco estelar de músicos. Ao Bloptical, Ed explana alguns processos da gravação e revela de quebra alguns segredos exclusivos!

foto: Chachi Ramirez


Produção, arranjos e gravação.

1) O álbum traz, em suas primeiras faixas, reminiscências de seu trabalho anterior, AOR, disco que lhe abriu novamente as portas da Europa e do Japão. Mas conforme segue, o disco acaba confluindo num caminho proeminentemente jazzístico. Quais as influências e inspirações para gerar Perpetual Gateways?
Ed Motta: Acho que precisei dividir o disco em duas partes, porque eu tinha temas que realmente remetiam ao álbum AOR e outros que estavam na esfera dos meus discos Dwitza e Aystelum.
Penso que o ponto que deu a liga entre os dois estilos foi o fato de trabalhar com os mesmos músicos.
Lembra-me os discos do selo CTI/Kudu Records onde Rudy Van Gelder (lendário engenheiro de som da Blue Note) gravava tudo num contexto mais elétrico.

2) Você sempre produziu seus discos. Mas em Perpetual Gateways, a produção é assinada por Kamau Kenyata. Porque a decisão de chama-lo para produzir? E qual exatamente foi o papel dele dentro do álbum, haja vista que você sempre leva seu trabalho com mão de ferro?
Ed Motta: O selo Membran (que lançou o disco no mundo todo) me propôs um disco gravado nos EUA, e aí eu pensei que precisaria de ajuda em vários sentidos, pois os norte-americanos não são exatamente as pessoas mais fáceis de se lidar.
Então queria ter um aliado estético, e o Kamau foi isso, um parceiro mesmo.
Me ajudou organizando na formacão da banda, na metodologia dentro do estúdio para caber (as gravações) no tempo que era curto, me ajudou gravando minhas vozes, cuidando da dicção, afinação. etc.
Kamau é um cara muito culto, fica agradável de conviver, as conversas no estúdio sobre cinema preto e branco, além de que, todos os dias, fomos a lojas de discos, dia e noite.
Ele é um profundo estudioso da música brasileira, vai de Tito Madi até Sueli Costa, sabe a fonte cristalina mesmo.

3) Sua voz está cada vez mais límpida e forte, entre as quais podemos citar a faixa 'Forgotten Nickname', belíssima. Todos os tracks de voz foram gravados junto com a banda, no esquema 'todos juntos ao vivo'?
Ed Motta: Não. Mas gravei minhas vozes em tempo recorde, em 2 dias, Kamau me ajudou muito nisso, eu não precisava checar cada bloco de frases na sala de controle, como sempre faço, porque sou sempre o produtor. 
Mas ele é mais do que produtor, é compositor, grande músico, professor, possui experiência de alto nível artístico e intelectual.

4) Uma diferença nos arranjos em Perpetual Gateways é notadamente a ausência de guitarras. É seu primeiro disco em que ela não se faz presente. Há algum motivo específico? E, nos shows desta turnê, não haverá espaço para guitarristas?
Ed Motta: Foi uma sugestão do Kamau, ele comentou: e se a guitarra ficasse de fora do disco?
Eu achei interessante, seria uma pontuação por ser um disco bem atípico, com um produtor, gravado nos EUA, com essas lendas todas etc.
A tournê na Europa não vai ter guitarrista, mas tem 2 sopros. No Brasil não tenho nada previsto mas preciso preparar algo diferente, aqui é outra coisa, é uma história, desde 1988 cheio de hits etc.
E apesar de toda polêmica e mal-entendido a respeito do significado do meu comentário sobre Manoel, eu tenho felicidade de apresentar temas meus que foram sucesso de grande público. E adoro tocar no Brasil.

5) É também o primeiro álbum em que assina todas as letras das músicas. Está fatigado da experiência de ter suas músicas letradas por outros ou é apenas um novo caminho a seguir?
Ed Motta: Eu espero que seja um novo caminho, eu sempre tive vontade disso devido ao meu interesse por cinema, quadrinhos, roteiros etc. Mas minha implicância com a ditadura da letra sempre me irritou demais, então fiquei anos e anos sem olhar para isso com seriedade e respeito.
Escrever as letras foi um dos pontos altos do disco pra mim, talvez pelo fato de ser algo novo em minha carreira.


Perpetual Tour.

6)  Apesar do disco ser em inglês e com um estilo distante do que se ouve nos palcos brasileiros, há a chance de vermos Perpetual Gateways live in Brazil? E já tem ideia de quais seriam os músicos, já que a banda que o acompanha atualmente tem base na Europa (e seria difícil traze-los para o Brasil).
Ed Motta: Eu torço que sim. Por enquanto não houve manifestação dos produtores locais, mas estou aguardando por isso. Assim que eu conseguir algum compromisso vou atrás da banda, porque hoje em dia a conversa é mais objetiva com os músicos.

7) Há alguma possibilidade ou ideia de convidar os músicos que gravaram o disco em estúdio a participarem de algum show? Assim como aconteceu com o guitarrista David T. Walker, que gravou no disco AOR e participou do show no Japão.
Ed Motta: No festival North Sea Jazz na Holanda queria convidar a Patrice Rushen e o Hubert Laws, mas seria um pouco difícil chegar numa negociação (datas e outros detalhes técnicos).
Talvez o Japão possa organizar algo assim. No Brasil seria extremamente possível, através de algum festival.

8) Seu primeiro e único DVD foi lançado há mais de uma década. Há algum planejamento para algo no futuro, como registrar a turnê deste disco ou fazer um 'best of' live?. 
Ed Motta: Eu pretendo fazer um DVD solo esse ano, notícia em primeira mão! 

9) Quais os próximos shows?
Ed Motta: Serão na Europa. Em abril, maio, junho e julho, a turnê passará por Alemanha, Áustria, Suiça, República Checa, Montenegro e Holanda. E em 2017, já há shows agendados no Frankfurt Sendesaal, na Alemanha.
(Bloptical Staff)

16 de mar de 2016

Ed Motta anuncia banda da turnê europeia de 2016

 

Ed Motta começa nesta quarta-feira, 16/03/16, a turnê do show do disco Perpetual Gateways. O primeiro show será na Alemanha, na cidade de Neubrandenburg. 

Na oportunidade, Ed estará apresentando sua nova banda, composta pelo pianista Matti Klein, que também será o diretor musical do show. Além de: Neville Malcolm no baixo acústico e elétrico, Jay Phelps no trompete, Marc Doffey no sax e Yoran Vroom na bateria.

Assim como no disco, o show não tem guitarras, evidenciando provavelmente uma abordagem mais jazz soul. Ficaremos no aguardo para ver e ouvir como ficarão as versões ao vivo do disco, bem como as demais músicas do amplo repertório do artista. 

4 de fev de 2016

Lançamento de 'Perpetual Gateways'



O novo trabalho de Ed Motta, o disco 'Perpetual Gateways', será lançado no Japão, Europa e Estados Unidos nesta sexta-feira, 05 de fevereiro de 2016.

No Brasil, América Latina e México o lançamento será no dia 11 de março, pelo selo LAB344, pelo qual Ed lançou o disco AOR.

O novo trabalho é proeminentemente jazzístico, transitando entre o spiritual jazz e o soul, e contém 10 faixas:
1 Captain's Refusal
2 Hypochondriac's Fun
3 Good Intentions
4 Reader's Choice
5 Heritage Déjà Vu
6 Forgotten Nickname
7 The Owner
8 A Town In Flames
9 I Remember Julie
10 Overblown Overweight

O destaque são as participações de peso, que incluem Patrice Rushen, Greg Phillinganes, Hubert Laws, e muitos outros. A produção ficou a cargo de Kemau Kenyatta (que trabalhou com Gregory Porter).

Sobre o título do disco, Ed Motta diz que: "Perpetual Gateways (portais perpétuos, numa tradução livre), soa pra mim um pouco como ficção científica". "E isto faz todo sentido, pois é o meu melhor trabalho até hoje e sinto como um sonho que virou realidade. Nunca antes tinha pensado que poderia chegar a gravar um disco com músicos tão grandiosos, e que curtiram o projeto tanto quanto eu".

O disco está sendo lançado em todas as principais plataformas digitais, além da versão em vinil alemã.
O canal de tv francesa 'Culture Box' produziu o clipe da música 'Overblown Overweight'.

E falando ainda em França, o site francês Europe Jazz Media Chart elegeu o disco Perpetual Gateways um dos melhores do mês de fevereiro.



10 de set de 2015

Ed Motta prepara álbum para 2016


Sob a produção musical e arranjos de Kamau Kenyatta - que foi o arranjador e co-produtor do premiado disco 'Liquid Spirit' do cantor Gregory Porter -, Ed Motta está gravando seu próximo disco na cidade de Pasadena, California.

Com previsão de lançamento para 2016, o álbum conta a participação de músicos tarimbados como o tecladista e compositor Greg Phillinganes (que já trabalhou com Michael Jackson, Stevie Wonder, Toto, Eric Clapton, entre outros), e da grande pianista e compositora Patrice Rushen.

Outros músicos participantes das gravações: o baterista Marvin "Smitty" Smith, o saxofonista Charles Owens, Curtis Taylor no trompete, Cecil McBee Jr. no baixo elétrico e Tony Dumas no baixo acústico. O engenheiro de som é Nolan Shaheed.

Muito se especula sobre o sucessor do disco 'AOR', lançado em 2013. Se Ed continuará o estilo AOR que deu nome ao disco, ou se seguirá outro caminho completamente novo, como tem feito ao longo de sua prolífica carreira, tendo já transitado em variados estilos como funk, jazz, soul, pop, blues, reggae, rock.

A equipe do Bloptical está atenta a novas informações com o artista, e assim que possível traremos aqui em primeira as novidades de mais um disco de Ed Motta. Stay tuned!



30 de jul de 2015

Propaganda com Ed Motta faz sucesso por ironizar o próprio músico


Diante da repercussão negativa que teve nas redes sociais recentemente ao publicar alegações consideradas polêmicas por alguns, Ed Motta, em uma prova inconteste de genialidade e humildade, aceitou participar de uma propaganda onde tira sarro das próprias ideias e o resultado foi nada menos que inteligente e engraçado.

O site imovelweb, com uma campanha moderna e atual (tá doido de não usar?), convidou o artista para divulgar seu site de catalogação de imóveis para locação e compra, criando uma situação onde Ed Motta deseja fazer duas mudanças: de idioma e de casa. Quando decide cantar somente em norueguês (e Ed realmente conhece a música do país, sendo fã de artistas como Ole Børud entre outros), a banda o apoia, mas quando afirma que pretende se mudar de apartamento sozinho (folheando um jornal pra lá de velho e defasado), recebe total indignação dos músicos.
Ao fim, a principal piada reside no fato de que acha e fica interessado em um imóvel na Rua Manoel da Nóbrega (fazendo alusão ao sucesso 'Manuel', que não faz parte do repertório de sua atual turnê internacional, o que gerou, nas redes sociais, revolta e protestos de internautas desinformados da carreira do multi-instrumentista).
E pra finalizar o comercial, ainda canta de verdade em norueguês, dando mais credibilidade ao anúncio, e mostrando um pouco do potencial e talento de Ed Motta.

Poucos artistas tem o desprendimento e inteligência de fazer piada consigo mesmo. Ed Motta possui o dom de aliar o talento e sensibilidade musical à simplicidade e humildade de caráter, sendo honesto e sincero, muitas vezes pagando um alto preço. Mas aqui nesse caso, soube ganhar com sua sinceridade polêmica!

27 de abr de 2015

Show de Ed Motta no Jazzahead! 2015 (vídeo)


A turnê europeia AOR 2015 segue firme e forte!
Show completo de Ed Motta no festival jazzahead! edição 2015, realizado em Bremen, Alemanha dia 24 de abril de 2015.

Banda:
Ed Motta - voz e piano Rhodes
Laurent Salzard - baixo
Arto Mäkelä - guitarra
Miguel Casais - bateria 
Matti Klein - teclados/piano

Link direto: AQUI

23 de mar de 2015

[download] Ed Motta (2014) Blue Note, Milan

Mais um bootleg exclusivo do Bloptical!

ED MOTTA (2014) BLUE NOTE, MILAN

Ed Motta e banda europeia fazendo um show impecável na casa de shows Blue Note, de Milão (Itália).
O repertório segue o disco AOR, lançado por Ed em 2013, com a tradicional releitura de Living Inside Myself, de Gino Vannelli, como bônus do show.

Line-up:
Ed Motta  - vocals keyboard
Paulinho Guitarra - guitar
Miguel Casais - drums
Matti Klein - piano
Hannes Hüfken - bass

Tracks:
01. Playthings of Luv
02. Simple Guy
03. Lost in the Night
04. 1978
05. Smile
06. Dondi
07. Farmer's Wife
08. Um Dom Pra Salvador
09. Minha Casa, Minha Cama, Minha Mesa (improvise)
10. Drive me Crazy
11. Colombina
12. Living Inside Myself

Links: